Depressão: o mal do século


Utilize esse link para compartilhar em seu site


 

Uma doença que na maioria dos casos é silenciosa

 
Milhares de pessoas no mundo sofrem de depressão. Trata-se de uma doença que para leigos costuma ser tratada como "bobagem", "frescura", mas que na verdade é capaz de afetar a vida da pessoa de maneira profunda e em muitos casos pode até mesmo levar ao suicídio.
 
A tristeza faz parte da vida, mas e quando a tristeza é tão profunda que não consegue ser vencida?
 
A depressão se caracteriza pela tristeza que pode não ter um motivo aparente para existir. A pessoa não consegue mais ver esperança na vida, não consegue sair desse período de isolamento.
 
Conheça um pouco da história da Thais Ferreira, 26, que passou por um difícil período de depressão.
 
Saiba o que é essa doença por meio da psicóloga Cristiane Cruz.
 

Confira na íntegra:

Tristeza constante, angústia, impotência e dúvidas existenciais... A depressão como qualquer outra doença pode levar à morte ou mesmo, ao anseio de sacrificar a própria vida.
 
E diante das dificuldades, dos diversos desencadeantes para uma possível depressão, lá no fundo resgatamos uma força, uma motivação para continuar a exercer tarefas que parecem naturais, mas se tornam difíceis para quem sofre da doença.
 
Thais, repentinamente teve que modificar todos os seus planos de vida, após o término de um noivado. Foi um sonho de que de repente precisou ser anulado. E agora? Como continuar do zero? Como projetar forças para reconstruir planos e levantar novos alicerces? A jovem de 26 anos conta a sua experiência de depressão:
 
Eu tentei reunir um pouquinho de forças que tinha, né? Lá no fundo tinha um pouquinho de fé de que talvez lá na frente eu ia melhorar, fé em Deus e acreditar... Hoje eu vejo que assim, às vezes a gente pensa: Eu quero muito isso, a gente está tão preocupado com aquilo que não consegue ver as coisas boas que estão acontecendo ao nosso redor.
 
Cristiane Cruz: A tristeza é uma reação natural a eventos difíceis de lidar né? Então é muito natural que quando a gente perde uma pessoa ou quando a gente passa por fases de mudança na vida, em que a gente tem perdas, se desenvolva a tristeza. Já a depressão é um problema no humor, é uma dificuldade em enfrentar a vida.
 
Vontade de passear com os amigos e outras tarefas que se transformam em verdadeiros sacrifícios. Como diferenciar a depressão de uma tristeza passageira?
 
Thais Ferreira: É  não conseguir trabalhar ou não sair... Tem um dia que você está bem, agora você está... De repente começa a vir um monte de coisa na sua cabeça, um monte de pensamentos ruins: O que será que está acontecendo? Será que sou eu que estou inventando? E algumas pessoas também acharam, comentaram.
 
Cristiane Cruz: Tem pessoas que estudaram mais, que já entendem um pouco mais desse assunto e percebem. Principalmente quando não é a primeira vez né? Então é muito comum pessoas que tenham vários episódios de depressão. Ou às vezes a pessoa não percebe, ela acha que está cansada, ela simplesmente não tem vontade de fazer as coisas. Por que depressão mexe com essa vontade de fazer as coisas. Muitas vezes a pessoa fica com fama de preguiçosa. E ela não percebe que isso é uma doença, que é depressão e que precisa de tratamento.
 
Thais Ferreira: As pessoas que foram me sinalizando. Eu não percebia. O fato de não querer sair. não querer ir trabalhar e só querer chorar. As pessoas falavam: Olha, você precisa se cuidar, procurar um médico. E aí os amigos e familiares foram sinalizando.
 
O tratamento e o apoio da família e amigos foram importantes para a recuperação da Thais:
 
Eu passei no médico, passei no psicólogo, psiquiatra, fiquei dois anos tomando algumas medicações, e o que me ajudou também foram os amigos sempre ali: Não Thais, vamos lá...Vamos, você vai conseguir... A família também ajudou muito, e esse foi o tratamento.
 
Cristiane Cruz: Um episódio de depressão pode passar. Mas, o certo é que a pessoa busque um tratamento e geralmente dependendo do nível da depressão, esse tratamento é feito com medicação e psicoterapia. Só medicação ou só psicoterapia pode ajudar dependendo do grau da depressão, mas aí é caso a caso. Tem que avaliar cada caso e ver o que é mais indicado.
 
A depressão nem sempre precisa de um acontecimento externo para ser desenvolvida.

A depressão desencadeada por momentos difíceis de perdas familiares ou de decepções sejam profissionais ou amorosas, é um sentimento comum entre diversas pessoas.
 
Cristiane Cruz: A depressão também pode estar dentro da normalidade no caso de grandes perdas, grandes mudanças, ninguém acha que é normal não ficar triste, deprimido com a perda de um parente muito próximo, muito querido, ou com a perda de um emprego, ou uma fase de transição em que planos têm que ser mudados. Então, é muito normal que a pessoa entre em depressão. O que vai ser um problema é se essa pessoa não conseguir sair dessa depressão.
 
Hoje, Thais encara a vida de outro modo, tem planos profissionais, estuda enfermagem e despertou em si o desejo de sonhar novamente.
 
O apoio da família, dos amigos e principalmente o carinho e o amor compartilhados, foram valiosos para a sua recuperação.
 
Thais Ferreira: Hoje eu vejo como uma aprendizagem. Eu no momento ali, eu imaginava que nunca iria ter uma melhora, nunca ia conseguir voltar a trabalhar, manter as amizades, mas é uma aprendizagem... Hoje eu encontro pessoas que passam alguma coisa semelhante, eu posso dar uma palavra, uma força.
 
Problemas? Ah sim, problemas e dificuldade Thais sempre terá, como qualquer pessoa, afinal, faz parte da vida: mudanças, perdas, ganhos, vitórias e tropeços complementam essa montanha-russa que é viver.
 
O importante é ter coragem e estar disposto a escalar a pior dificuldade de todas: nós mesmo.
 
Thais Ferreira: É importante a gente sempre colocar a lupa no que tá dando certo, no que tá acontecendo, no que tá fluindo, e as outras coisas, aos poucos, a gente vai ou conquistando ou superando aí as perdas.
 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

comentários